5 de janeiro de 2011

Doce Veneza.



Se não fosse por sorte eu haveria perdido o voo que me levou para a viagem dos meus sonhos, nunca em minha vida eu me atrasei para nenhum compromisso, mas, naquela manhã de primavera nem o despertador conseguiu me desperta, por sorte minha irmã foi à minha casa e então acordei, faltava apenas alguns minutos para o avião partir. Eu não me recordo se passei batom e arrumei os cabelos, lembro-me apenas que saí correndo, ao entrar naquele avião, eu sentir que começava o meu sonho, mas, ao chegar à Veneza eu tive certeza que tudo era real e lindo. Fiquei arrepiada, meus olhos pareciam não acreditar no que viam,  eu estava na mais doce e romântica cidade do mundo. Aquelas flores deixavam um aroma de amor tomar conta de toda a cidade, os pombos voavam livres, cheguei a toca-los. Tudo era encantador, cada inesquecível ruazinha estreita por onde passei descobria algo novo, ali tudo era perfeito, as pessoas respiravam amor. Passei horas caminhando e olhando os casais apaixonados, depois de algum tempo fui ao restaurante Floriam e pedir um cappucinno e fiquei observando a beleza da Praça San Marco, quando avistei um jovem vindo em minha direção, ele era apaixonante, tinha os cabelos castanhos e olhos verdes, logo se aproximou de mim com um sorriso esbanjando simpatia, parecia me conhecer a algum tempo. Disse chamar-se Guterre, pegou em minha mão e chamou- me para passear, passamos divertidas horas andando de gôndola nos vários e apaixonantes canais, paramos na ponte de Rialto e ainda no fim da tarde eu fui ao histórico palácio Ca`rezzoni, sentir como se estivesse no século 17, e à noite sentamos na Praça San Marco, foi o passeio mais romântico de toda minha vida, era o momento propício para voltar a acreditar no amor, meu coração estava flutuando, mais quando sentir o toque suava daqueles lábios quentes, o relógio me trouxe à realidade, eu não queria acreditar que havia sido um sonho, só acreditei quando tive coragem de abri os olhos e não vi Veneza, nem aquele olhar  meigo, só havia ao meu redor aqueles móveis vazios de beleza. Onde estavam, os jardins, as praças, os casais apaixonados e aquele amor? Pensei em voltar a dormir, quem sabe eu voltaria naquele mesmo lugar e ele estaria lá, me esperando com aquele mesmo sorriso, mais foi inútil a vida me chamava para a realidade, eu tinha que seguir caminhando nas ruas simples da minha pequena cidade e deixar Veneza guardada apenas em meus sonhos.
                                                  
                                                                         (Luzia Medeiros)

9 comentários:

  1. Oi Luzia, fiquei muito feliz pelo seu comentário, não tenho dúvidas que é uma verdadeira poetisa, muito obrigado, para mim é uma honra ter você como minha seguidora... desejo igualmente tudo em dobro pra você, um grande abraço...

    Obrigado!!!!!!

    ResponderExcluir
  2. Oi Luzia tudo bem passei para desejar uma boa tarde para vc esse seu blog é muito bonito parabéns... Fique com Deus...

    Um grande abraço....

    ResponderExcluir
  3. Sabe, é de sonho maravilhosos como esse que arrumamos forçar pra transformar a realidade.
    Isso não precisa ser um sonho pra sempre, lembre-se disso.

    ResponderExcluir
  4. OOii Luiza, retribuindo suas visitas,, des culpe a demora,, mas chegueiii!!! gostei do texto, muitoo bommm!!!!bjs

    ResponderExcluir
  5. Nossa Luzia que texto lindo!
    Amei!
    Estou pretendendo viajar para a Itália esse ano, e mal posso esperar para conhecer Veneza!

    Te seguindo!
    Parabéns seu blog é muito fof, vc escreve muito bem!
    Amei!

    ResponderExcluir
  6. Nossa! Com certeza vai ser uma viagem inesquecível.

    ResponderExcluir
  7. seguindo
    http://iasmincruz.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Espresse aqui o que você achou das minhas palavras. Espalhem um pouco do seu carinho.