8 de outubro de 2012

Uma linda história de amizade e amor. ♥


Primeiramente, desculpem pelo texto enorme, 
porém não vi outra maneira de contar algo 
tão lindo que aconteceu comigo sem incluir 
detalhes que me marcaram tanto. 
Ficou lindo! Pois, foi tudo o que eu vivi e 
senti com todo sentimento possível.

O conheci no primeiro dia de aula na Universidade, era finalzinho de Fevereiro de 2011. Eu estudava na cidade em que ele mora, a 42 km da minha.  Lembro-me que ao abrir a porta da sala, ele foi a primeira pessoa que eu vi e, então, sentei na frente dele e puxei conversa com ele e outro colega.  Logo nos primeiros minutos a presença dele era agradável. Confesso que, mesmo ele sendo um moreno bonito, alto,de sorriso e olhar perfeito, os traços físicos não me chamaram tanto a atenção quanto o seu jeito de ser, sua inteligência discreta, o jeito dele olhar pra mim. Achava linda a preocupação dele comigo. Ele me conhecia tão bem, que se eu estivesse um pouco quieta, ele perguntava: “O que foi, por que você está assim”? “Conte-me, desabafe”. A princípio eu hesitava, mas depois acabava contado.

Em poucos dias já éramos amigos, vivíamos grudados, conversando, sorrindo, implicando um com o outro. Ele era tudo o que eu queria como melhor amigo, mas, o problema era que eu desejava um pouco mais que isso e acho que em alguns momentos ele queria o mesmo. Depois de algum tempo descobri que ele tinha namorada e o namoro já durava pouco mais de três anos. Fiquei um tempinho triste, mas isso não mudou em nada a nossa amizade. O tempo foi passando e era cada vez mais difícil esconder a paixão que nascera entre a gente. Estávamos cada vez mais próximos. Tantas vezes senti vontade de dizer: Ei, menino chato, implicante, eu te amo! Porém, eu sempre mantive essas palavras presas dentro de mim.

Uma noite depois da aula ficamos um longo tempo conversando. Ouvi-o desabafar sobre a dor que sentiu ao perder a mãe aos cinco anos. Imagino como deve ser difícil começar a vida tendo que lidar com dores tão terríveis. Ele teve que amadurecer rápido demais. Depois daquele desabafo eu passei a entende o porquê dele camuflar seus sentimentos, como se preferisse não amar ninguém. Ele sempre dizia: “Para que eu vou me apegar às pessoas se depois elas irão partir, se em alguns dias dirão adeus”. Acho que ele tinha razão.

Nas férias de junho, depois de muita indecisão, eu acabei atendendo ao pedido dele para que nos encontrássemos numa festa naquela mesma cidade. Era uma bela noite de São João, frio ameno, sente a felicidade por todos os lugares como há tempos não sentia. Ficamos a festa inteira juntos, namorando e dançando ao som de Jorge e Matheus. O beijo dele era como eu imaginava, apaixonante. Aproveitei cada fragmento daquele momento, mesmo sabendo que logo ele faria as pazes com sua namorada e voltaríamos a ser o que sempre fomos, apenas bons amigos. Passamos o resto das férias sem nos vermos e sem conversar sobre aquela noite.

Quando as aulas voltaram, nos reencontramos, foi estranho! Sentimos medo que a nossa amizade tivesse mudado. Mas, em poucos dias voltamos a ser grandes amigos. Ele já havia voltado com a namorada, embora todos dissessem que ele não ligava muito para ela, que parecia gostar mais de mim, era com ela que ele estava,eu era só uma amiga e nada mais. Eu sabia que ele preferia tentar esquecer aquela festa. A presença dele me fazia tão bem que acabei percebendo que eu suportaria perde-lo como namorado, mas, jamais como amigo.

Depois, aconteceu um fato triste para mim, ele passou para outra Universidade. Eu sabia o quanto ele queria aquele curso, por isso, disse que tinha ficado feliz, porém, os meus olhos anunciavam uma terrível tristeza me invadindo por inteira. Ele também ficou abalado, disse que estava feliz pelo curso e triste por ter que partir. Na noite da despedida, em cinco de Agosto, 2011, seus olhos estavam visivelmente tristes, havia um vazio, embora ele preferisse disfarçar seus sentimentos, mas, eu já estava acostumada com o seu jeito de conter as emoções.

Como o seu curso também era à noite, ele só foi me ver duas vezes. A última vez em que nos vimos faz quase um ano, ele me abraçou forte e perguntou se eu tinha sentido muitas saudades dele, eu responde que só um pouco. Eu aprendi com ele a me conter, mas eu lembrava dele todos os dias, principalmente à noite. Numa noite, depois da aula, chovia bastante, eu sentei sozinha no lugar das nossas confidências e fiquei recordando da vez em que ele chegou todo encharcado de chuva e eu fiquei rindo, depois para me desculpar ofereci o meu casaco, ele sorriu, pois, Jamais serviria para ele. Eu amava (amo) aquele sorriso fascinante. Naquele instante desejei que ele estivesse ali preenchendo aquela lacuna, aquela saudade, aquela profundidade de dor dentro de mim.

Este ano por motivos de saúde deixei de cursar dois períodos e por isso não mais retornei naquela cidade. Quando ele soube que eu estava com problemas, deixou-me um e-mail dizendo além de outras palavras a seguinte frase: “Não sei direito como explicar, pois, não sou tão bom com as palavras quanto você, mas, quando soube que você estava doente senti uma dor tão forte como se você fosse um pedaço de mim”. Aquelas palavras foram suficientes para eu ter certeza do enorme carinho que ele sente ou sentia por mim, porque sei o quanto é difícil para ele esboçar qualquer sentimento.

Depois daquele e-mail nunca mais nos comunicamos, praticamente não entro no MSN e quando entro, ele não está online, e também ele não tem Orkut e nem Facebook. E eu mudei de numero. Eu sei onde posso encontra-lo, mas, não farei isso, seguimos outros caminhos. Prefiro guardar as lembranças inesquecíveis do seu perfume junto a mim, da sua mão puxando uma mecha do meu cabelo e da sua voz dizendo: “Gosto tanto de você”. Porque recordações assim nunca me fará sofrer, prefiro tê-lo como amigo a insistir em um amor que nunca será meu. E acima de tudo eu quero que ele seja eternamente feliz.

                                                          Luzia Medeiros

18 comentários:

  1. É bem interessante a sua história, e digo que... quando é pra ser, vai ser, não importa se for amanhã ou daqui a 10 anos, as coisas acontecem por um motivo e.. bem, eu acredito nisso.
    Eu já passei por semelhante.
    Acho que ver a pessoa que a gente ama feliz é a melhor coisa do mundo, mesmo quando a felicidade dessa pessoa não está relacionada a nós.
    Parabéns, isso é o amor verdadeiro!

    Melhor que Marley

    ResponderExcluir
  2. Que triste.. e ao mesmo tempo, tão lindo!


    Sabe, acho que uma hora os caminhos se encontram e aí será tudo perfeito, tenho certeza que tudo tem um tempo certo para acontecer.

    Tão lindo o que ele escreveu no e-mail! Fiquei emocionada aqui! *--*

    Tenho certeza que essa história ainda não acabou...

    Bjinho!

    ResponderExcluir
  3. Essa história demonstra um amor verdadeiro. Quando amamos de verdade, talvez, por mais que doa, temos que deixar a outra pessoa partir. E se o outro estiver feliz, estaremos também.

    ResponderExcluir
  4. Garanto que apesar de tudo, mesmo não tendo ele na sua vida, você não deixaria de viver essa história novamente, não é mesmo? O amor verdadeiro renuncia certas vontades, tudo para ver a pessoa feliz. Linda sua história, apensar dos pesares. Beijinhos estalados e uma ótima semana.

    ResponderExcluir
  5. O amor é tão complicados ás vezes. Se ambas pessoas estão felizes porque simplesmente acaba?

    Gostei muito do seu blog,estou seguindo (:

    Caso queria conhecer o meu refúgio: http://www.avidaemletras.com/

    ResponderExcluir
  6. Ah Lu

    corra em busca do seu amor.
    às vezes a vida separa as pessoas, cada um segue uma estrada, porém nada impede desta entrada lá na frente se cruzar de novo rs..

    Linda sua história, torço por vc.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  7. Que emoção você me transmitiu, o amor é isso, ver alguém feliz mesmo longe da gente. Longe fisicamente mas perto do coração.

    Refúgio das Palavras

    ResponderExcluir
  8. Oi querida


    Que coisa mais linda...
    Adorei.


    Beijos
    Ani

    ResponderExcluir
  9. Passando para agradecer a sua doce visita. Beijinhos e uma ótima quarta.

    ResponderExcluir
  10. O amor é isso: emoçao, ansiedade! Encontro!
    boa semana!
    opinandoemtudo.blogspot.com

    ResponderExcluir
  11. Nossa Luh, momentos, datas que também marcaram minha vida. É tão bom, saber que tenho algo parecido contigo. No começo também fora parecido como conheci um amigo na escola, também fora à primeira vista. Com o tempo vieram as conversas, e isso nos aproximou bastante. Só que, ele já gostava de uma moça, que era uma amiga minha, complicado né? Nunca fui de dizer o que sinto, por isso passei os dois anos sendo amiga dele, e ocultando o que sentia.E, depois, já que por coincidência estudará os dois anos na mesma sala,uma colega contou-lhe que eu gostava dele, e com isso ele se afastou. Nunca mais nos falamos. Agora, o tenho no facebook, porém é como um estranho. Tudo vivido ficou como lembranças, e isso que temos que guardar. Existiu, mas agora é apenas lembranças. O bom, é que da mesma forma que o tempo ajuda, ele nos faz esquecer certos momentos. E, depois disso, em 2010 uma nova história eu tive, e que no dia 21 de Setembro desse ano, chegou ao fim, sem amor, e sem amizade também. Triste né? Mas, É A VIDA. Agora espero o tempo passar, quem sabe, esse "tempo" me trás algo, ou leva de vez o que existiu, senti e que deixei "voar". Voce sentiu, viveu, amou, isso é a vida, deixe agora tudo guardado no coração, e obrigada por compartilhar, voce não imagina o quão bom é lhe conhecer um pouco mais.
    Beijo Luh *-*

    ResponderExcluir
  12. Estou a visitar alguns blogs, e tive o privilégio de encontrar o seu, vi na pagina inicial o que escreveu, e como gostei folheei mais algumas páginas e fiquei maravilhado pelo que vi e li.
    Dou-lhe os parabéns, mas queria deixar um apelo continue assim dando sempre o melhor, boas mensagens, bons temas. Gosto de escrever, mas também gosto de ler bons temas, por isso é que parei aqui.
    Meu nome é: António Batalha.
    Sou um servo de Deus,e deixo aqui a minha bênção,que haja paz,amor na sua vida, muita saúde e felicidade.
    PS. Se desejar seguir o meu humilde blog, Peregrino E Servo, fique á vontade, eu vou retribuir, se encontrar seu blog.

    ResponderExcluir
  13. Um ótimo feriado para você. Beijinhos.

    ResponderExcluir
  14. Olá!!!

    Li o primeiro post e não consegui parar mais... Adorei o seu blog!!!
    Voltarei sempre!!!

    Beijos!!!

    ResponderExcluir
  15. Que lindo! Obrigada pela visita no meu blog, volte sempre (:
    Adorei o texto, demais. Beijos,

    Marina Alessandra do blog Pelos Dezoito
    @mariinaale

    ResponderExcluir
  16. Luzia, já estou querendo texto novo. rsrs

    Beijo e bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  17. Ai Luzia,que história triste!Quantas vezes isso não acontece com as pessoas,não é mesmo?Uma linda história de amor,pena que ele não teve coragem de assumir seus sentimentos!Vc tomou a decisão certa na minha opinião,pois pelo jeito com ele nunca seria namoro,mas amizade!Bjs e meu carinho,

    ResponderExcluir

Espresse aqui o que você achou das minhas palavras. Espalhem um pouco do seu carinho.